Icônica

Nos idos 2012 Cláudia me apresentou o Icônica. Nesse site conheci um mundo de imagens que era muito mais vasto que eu jamais havia imaginado. Passei tardes e tardes lendo sobre as mil possibilidades da fotografia e construindo meu repertório entre artistas e pensamentos.

Não poderia estar mais alegre de ver hoje meu trabalho publicado no Paragem Icônica, com um texto bonito e preciso de Ronaldo Entler!

Falta coraçãozinho <3 <3 <3  <<3 <3 <# aqui pra convidar todo mundo a visitar...

 

las piedras ya se fueron a dormir

 

 

 

                                                                                            .....

 

 

Uma vez um amigo chegou lá em casa com a mala do carro cheia de revistas de fotografia para me dar! Fiquei maravilhada, mas acho que me mudei de Brasília antes de conseguir terminar de ver todas. Cada revista eu folheava, recortava e fazia colagens. Essas foram minhas horas de folga e dias feriados da minha jornada de dois trabalhos de 6hs cada ao longo de 2012. Assim, um belo dia, McGinley entra na minha vida <3. Nesse mesmo ano, vendi uma máquina de lavar e consegui dinheiro pra comprar o "You and I"!  Quase morro de felicidade quando o livro que eu tanto planejei chegou na minha casinha... Imagina só! Imagina só! 2012 tem tão pouco tempo. Se fosse hoje, eu teria visto no have a nice book! hahahhahaha Acho maravilhosa essa invenção de vídeos de livros! Pois compartilho aqui um bom lugar pra perambulações, e como não poderia deixar de ser com McGinley mi lov! 



 

//////////////////////////////////dia frio e nublado //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// essa desculpa para a demora ////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// [pela casa]
querer fracassar////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
/////////// nos ventiladores tem uma espécie de acontecimento //////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// /////////// tanto giro ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
////////////////////////////// todo giro /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

da série: estudos sobre o apagamento dos dias
outono, 2016.

Sem título #1

Um
O que é possível fazer com oque não terminamos de entender?
Uma vez eu convidei uma amiga para um trabalho colaborativo partindo de um texto que não conseguissemos entender. Esse projeto nunca foi realizado.

 

Dois
É preciso estar a espreita, segundo Delleuze.

 

Três
Se esse trabalho fosse somente sobre Drawing Restrains, n.9. de Matthew Barney, eu não sei o que eu faria.

 

Quatro
Será que a chave para entender o desenho da figura oval cortada por uma barra é repeti-lo a exatustão? Talvez Barney estivesse nos sugerindo isso, mostrando-a tantas vezes repetida. Claro que eu fui procurar na internet se aquilo significava alguma coisa. Encontrei que era o simbolo de um corpo com restrições, seria como a forma própria do título: Drawing Restrains. Uma explicação que não me disse nada.

 

Um
Há pessoas sobre as quais posso afirmar que não entendo nada do que dizem, mesmo coisas simples como: “passe-me o sal”. Não consigo entender. (Delleuze)

 

Três
Se esse trabalho fosse somente sobre Drawing Restrains, n.9. de Matthew Barney, eu falaria sobre o tédio. Mas aí veio Delleuze e falou de amizade.

 

Quatro
Repetir
Repetir
Até ficar diferente

(Manoel de Barros)

 

Um
Eu queria construir uma frase insignificante, como essa mesma que construo agora.

 

Um
Um trabalho colaborativo precisa se dar entre duas pessoas? Ou eu posso colaborar com a obra de alguém? Pensei no que Delleuze disse, que o encontro entre pessoas é desastroso, que antes é preciso encontrar uma coisa.

 

Três
Se esse trabalho fosse somente sobre Drawing Restrains, n.9. de Matthew Barney, eu falaria sobre o tédio. Mas aí veio Delleuze e falou de amizade. Talvez eu fale sobre amizade também.

 

Quatro
Delleuze escolheu Resistência para o “R”, eu escolheria Repetição.

 

Cinco
A ilha do fundão foi construida artificialmente a partir da técnica aplicação de aterro. Outro quase entendimento.

 

Quatro
Repetir uma frase em silêncio.

 

Cinco
Minha prima Giovana perguntou sobre onde minha irmã estava, eu respondi que em Cuba. Expliquei-lhe que Cuba era uma ilha. Naquela tarde construimos uma ilha que durou tão pouco que sequer recebeu nome. Utilizamos uma bacia de aluminio, água do açude e um copo de geléia (desses que se usa pra tomar café).

 

Três
Se esse trabalho fosse somente sobre Drawing Restrains, n.9. de Matthew Barney, eu falaria sobre o tédio. Mas aí veio Delleuze e falou de amizade. 

Comparto algo que me llegó de ese jueguito de intercambio poetico ;)

 

Ni una cosa, ni la otra.

Miento si digo que intenté la revolución.
No es verdad que puse una mesa patas arriba.
Tampoco dije miré vállase a mi ex suegra.
No mordí la mano que me dió de comer.
Menos cierto es que estuve preparado
para rechazar los honores que nunca medieron.
Y además, debo confezarlo, me costó 
diferenciarme de los conspiradores.
En fin, que como multitud, fuí un adicto al deseo.
Que como no pocos, transgredí con permiso.
Fui un tentado. Un idiota revulsivo. Un asco.
Eso sí: no vengan a decirme que todo esto me resbala.
No me vengan con el cuento
de que estoy grande para prender la mecha.
Menos que menos ustedes, jóvenes, viejos peripatéticos!

Santiago Espel

()()()

Pensar outra coisa. Ou pensar a mesma coisa. A mesma coisa já se fez outra. Não pensar nem outra, nem a mesma coisa. Agir. Agir como se esse instante dependesse inteiramente de mim para existir. Ou não. Agir somente pelo gosto da ação.

Sábado de manhã o porteiro veio entregar o condomínio e mandar eu ir pra praia porque era o último dia de verão. Eu disse que ia mas nem fui. Domingo comprei caqui de novo. Pela primeira vez no ano estavam incríveis. Entendi que não adianta, é preciso esperar o verão passar. Hoje cedo, as três folhas que me acompanham todas as manhãs voaram enquanto eu fugi da escrita para fazer xixi. Fiz uma minúscula festa quando descobri que entrava vento pela minha janela apesar de todos os prédios que compõe a vista da minha casa. Adoro dar boas vindas ao outono. Deveríamos celebrar que a humanidade não tem parte nas estações do ano. 

23.03.2016

Voltando à idéia de que meu pensamento está mudando. Talvez não esteja. Uma coisa porém que o mantém em movimento é que estou continuamente encontrando novos professores. Eu tinha estudado com Richard Buhlig, Henry Cowell, Arnold Schoenberg, Daisetz Suzuki, Guy Nearing. Agora estou estudando com N.O. Brown, Marshall McLuhan, Buckminster Fuller, Marcel Duchamp. 

John Cage

Catálogo do VI Prêmio Diário Contemporâneo!

Com muita alegria, compartilho o link para o download do Catálogo do VI Prêmio Diário Contemporâneo e o comentário do curador sobre o meu trabalho: 

"As imagens de Lara Ovidio, em Territórios Perecíveis, parecem ter saído de uma caixa de guardados e dispostas aleatoriamente como quem procura algo que se perdeu. De fato, a artista monta suas fotografias, objetos, textos, como quem recolhe fragmentos seus, pequenas amostras que atestam sua presença no tempo. Todos são índices que constituem um ato performático".

(Mariano Klautau)

 

 

Download disponível em: 

http://www.diariocontemporaneo.com.br/wp-content/uploads/2016/02/catalogo_2015.pdf